Última ronda de licitações de Angola desperta interesse dos grandes operadores

Angola. Image Credit_Flickr

Em abril de 2022, a ANPG realizou em Luanda uma cerimônia de abertura das propostas recebidas, com a presença de investidores de Angola, Austrália, Noruega, Itália, Qatar, França, Inglaterra, Namíbia e China. Treze empresas pré-selecionadas com experiência comprovada e conhecimento técnico na exploração de hidrocarbonetos em bacias com sistemas geológicos comparáveis ​​foram convidadas a licitar na forma de Concurso Público Limitado.

Os esforços feitos pela ANPG para garantir o diálogo com as operadoras e criar um clima atraente de investimento Upstream valeram a pena – a rodada offshore despertou o interesse de várias grandes petrolíferas globais, incluindo propostas da italiana Eni, da francesa TotalEnergies e da norueguesa Equinor. De acordo com a ANPG, os potenciais compromissos de investimento inicial deverão atingir $58,6 milhões para garantir a execução do programa de trabalho mínimo.

A Eni Angola apresentou uma proposta para o Bloco 31/21, para o qual a gigante italiana atuaria como operadora com uma participação de 50% em um acordo de consórcio com a Equinor. A proposta contempla um bônus de cinco milhões de dólares com pagamento único em até 30 dias após a primeira produção do bloco. O Bloco 31/21 possui 34 poços exploratórios, resultando em 19 descobertas comerciais de petróleo.

Adicionalmente, a TotalEnergies apresentou uma proposta para o Bloco 16/21. Essa proposta daria à empresa francesa 100% de participação e pagaria um bônus com base no volume acumulado de produção na faixa de 0,10 centavos por barril – pendente de produção acumulada inferior a 200 milhões de barris – com potencial de chegar a 0,30 centavos se a produção é igual ou superior a 400 milhões de barris. Abrigando os prospectos de Bengo, Chicapa e Chitumbe, entre outros, o Bloco 16/21 possui 21 poços exploratórios que rendem duas descobertas comerciais de petróleo e gás e oito descobertas “sub comerciais” de petróleo, que podem ser desenvolvidas como campos marginais. Os demais blocos que não receberam propostas estarão disponíveis para outorga por meio do Decreto Presidencial nº 249/21.

A ANPG busca reverter o declínio da produção

 Desde a sua inauguração formal em fevereiro de 2019, a ANPG tem procurado revitalizar o setor upstream angolano através de uma série de rodadas de licitações on e offshore. Em Junho de 2019, a Agência lançou a primeira ronda de licitações de petróleo e gás em Angola em oito anos, no âmbito de uma estratégia de seis anos que coloca em oferta 55 blocos totais, disponibilizados aos investidores através de concurso público e limitado. Até o momento, essas licitações viram a concessão bem-sucedida de várias novas licenças, trazendo um influxo de operadores que vão desde as principais empresas petrolíferas até exploradores independentes e juniores.

Em 2019, Angola ofereceu 10 blocos de petróleo e gás para leilão público, sendo nove localizados na Bacia do Namibe e um localizado na Bacia de Benguela. Os vencedores das operadoras premiadas incluíram a italiana Eni e a francesa TotalEnergies. Em 2020, foram atribuídos a concurso público três blocos na Bacia do Baixo Congo e seis blocos na Bacia do Kwanza. Entre os vencedores das operadoras premiadas estão a canadense MTI Energy, a Angolana Somoil, o Grupo Simples, a Alfort Petroleum e a Angola Integrated Services. A ANPG lançou a rodada de licitações 2021/2022 para oito blocos nas bacias offshore do Baixo Congo e do Kwanza e atualmente está avaliando as propostas recebidas. A área terrestre será disponibilizada através de concurso público em 2023, incluindo quatro blocos na Bacia do Congo e oito blocos na Bacia do Kwanza. Outro Concurso Público Limitado acontecerá em 2025, com 10 blocos do pré-sal ofertados na Bacia do Kwanza em águas profundas.

Embora Angola seja o principal produtor de petróleo da África Subsaariana, a produção doméstica diminuiu desde que atingiu seu pico em 2008, em cerca de 1,9 milhão de barris por dia (bpd). Hoje, a produção de petróleo bruto é de 1,18 milhão de bpd (em junho de 2022). Em uma tentativa de reverter esse declínio, o governo implementou várias medidas e reformas políticas, em conjunto com uma estratégia agressiva de licenciamento, visando aumentar a exploração e retomar a produção. As recentes rondas de licitação permitiram a Angola mapear as suas reservas de petróleo e gás e atrair investimentos para o desenvolvimento de infraestruturas, bem como para a produção e rentabilização das descobertas de petróleo e gás.

Angola Lança uma Estratégia Revisada de Exploração de Hidrocarbonetos

 Além de realizar três rodadas de licitações bem-sucedidas desde 2019, a ANPG foi responsável pelo lançamento de uma Estratégia de Exploração de Hidrocarbonetos revisada 2020-2025, que se concentra no aumento das atividades de pesquisa e avaliação em bacias sedimentares, expandindo o conhecimento geológico de reservas de hidrocarbonetos novas e existentes e alocando com sucesso concessões de petróleo de acordo com o Decreto Presidencial 51/29. A estratégia visa estimular um aumento de curto prazo na produção nacional por meio do desenvolvimento de ativos localizados próximos à infraestrutura de produção existente, juntamente com o desenvolvimento de médio a longo prazo de campos marginais. Durante o período 2020-2025, US$ 867 milhões serão mobilizados em investimentos upstream, dos quais US$ 679 milhões serão direcionados para a aquisição de dados geofísicos multiclientes e US$ 188 milhões para estudos adicionais, de acordo com a estratégia revisada. No total, 33 blocos serão avaliados nos próximos dois anos para apoiar a reposição de reservas na Bacia do Baixo Congo, bem como estimular a exploração e desenvolvimento de gás natural na Bacia do Kwanza. Se a estratégia for concretizada, estima-se que sejam necessários dois anos para repor as reservas atuais de Angola. Hoje, as reservas recuperáveis ​​de petróleo de Angola estão estimadas em 57 mil milhões de barris, o que representa um aumento substancial face aos 8,2 mil milhões de barris anteriormente estimados.

Por fim, em setembro de 2021, a ANPG lançou um programa de oferta permanente, no qual a Agência pode negociar com os operadores de bloco novos contratos sem a necessidade de lançar uma nova rodada de licitações. O programa de oferta permanente permitirá a continuidade das negociações entre as operadoras e a concessionária nos campos em que o prazo de concessão expirará, ou nas concessões que não foram contempladas na estratégia de concessão. Sob o novo programa, as concessões permanecerão permanentemente disponíveis para negociações com potenciais investidores. A ANPG afirmou que este quadro reduzirá o tempo de compensação da produção, bem como aumentará a produção e a oferta.

Share This Article

Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on reddit
Share on whatsapp
Share on email

Other Reads

Onur Yilmaz

Onur Yilmaz

Subscribe below to stay in touch about the latest news and event updates

X
X