Angola impulsiona o desenvolvimento regional através de redes transnacionais de energia

Angola. Energy. Bigstock

Liderado por especialistas da indústria, como Pedestal Africa, SNC Law Group, SOAPRO e McKinsey & Company, o painel promete uma discussão abrangente sobre como o desenvolvimento de petróleo e gás de Angola irá desencadear impactos positivos na comunidade da África Austral e vice-versa. Em um momento em que a demanda por petróleo e gás está crescendo significativamente, a industrialização requer um fornecimento de energia confiável e estão sendo feitas descobertas em larga escala em todo o cenário energético regional, o painel pretende iniciar uma discussão sobre o papel que a colaboração regional desempenhará para garantir que as descobertas upstream se traduzam em desenvolvimentos bem-sucedidos.

Falando durante um painel de discussão na Invest in Angola na Semana Africana de Energia em outubro, Belarmino Chittargueleca, Diretor Executivo da Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis, enfatizou o papel de Angola neste sentido, afirmando que “regionalmente, estaremos compartilhando informações com nossos irmãos sobre como impulsionar a exploração”.

Então, por que participar do painel? Primeiramente, a sessão proporcionará uma visão em primeira mão de como o investimento em Angola desencadeará efeitos benéficos para toda a região da África Austral. O país já vem trabalhando para alavancar as redes energéticas regionais como a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) para aumentar a capacidade de refinação de petróleo bruto e outros petroquímicos associados em Angola, para abastecer o crescente mercado da SADC. O país também fará parte do recém-lançado Sistema de Dutos da África Central (CAPS) – uma rede que está destinada a criar um mercado regional de commodities energéticas baseado na criação de hubs e sistemas de dutos -, formando uma das conexões com o Sistema de Dutos da África Central do Sul da rede CAPS. 

Falando durante o lançamento do CAPS na conferência MSGBC Oil, Gas & Power em setembro de 2022, S.E. Gabriel Mbaga Obiang Lima, Ministro de Minas e Hidrocarbonetos da Guiné Equatorial – que é palestrante principal na AOG 2022 -, declarou que, “O objetivo disto é criar áreas onde possamos transportar, armazenar e distribuir – hubs. Estes centros garantirão o transporte e a distribuição de energia para que cada país possa se beneficiar”

Enquanto isso, o país vem estabelecendo proativamente relações com países regionais de modo a cimentar parcerias transfronteiriças que preparam o caminho para o desenvolvimento generalizado da energia e a criação de valor. Somente nos últimos dois anos, Angola assinou acordos com países como Ruanda, República Democrática do Congo, Zâmbia e Senegal, o que criará novas oportunidades de compartilhamento de conhecimento, projetos transfronteiriços e comércio.

Neste cenário, o painel de Emergência Regional AOG 2022 explorará como os projetos angolanos de petróleo e gás – tais como o desenvolvimento em águas ultra profundas de Kaombo, o projeto de Gás Natural Liquefeito de Angola, o projeto Platina no Bloco 18 e o projeto CLOV Fase 2 – não serão apenas instrumentais para atender a demanda doméstica, mas também regionais, com Angola utilizando estas redes para aumentar a segurança energética e a independência na África, no respaldo do comércio. 
Junte-se à AOG 2022 e faça parte da conversa sobre a emergência regional de Angola. Para mais informações, visite https://angolaoilandgas2022.com/event/angola-oil-gas-2022-pt/

Share This Article

Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on reddit
Share on whatsapp
Share on email

Other Reads

Onur Yilmaz

Onur Yilmaz

Subscribe below to stay in touch about the latest news and event updates

X
X