A ANPG de Angola mostra o enorme potencial de Angola para projetos de petróleo e gás na Semana da Energia Africana

Belarmino Chitangueleca, Administrador Executivo, ANPG.

Trouvez la version anglaise ici

Os executivos de topo da Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANPG) protagonizaram uma sessão da Semana da Energia Africana esta quarta-feira, tornando evidente o enorme potencial de Angola para projetos de petróleo e gás e incitando os investidores a aproveitarem as grandes oportunidades geradas pelas próximas rondas de licitações.

Falando diretamente aos investidores no maior evento de energia de África, Belarmino Chitangueleca, administrador executivo da agência, sugeriu que a ANPG estaria disposta a fazer algumas cedências aos investidores de forma a oferecer termos contratuais mais competitivos, mas que compete à indústria dizer à agência o que pretende.

«Angola tem uma grande prospetividade e isso não vai mudar. O que pode mudar são as condições fiscais e contratuais, mas se os investidores querem mudanças, precisam de nos dizer exatamente o que pretendem», disse o administrador executivo.

Os executivos discutiram as oportunidades potenciadas pela mais recente oferta de blocos de petróleo e gás da ANPG, lançada em setembro, que segue uma nova política de «casa aberta», permitindo aos investidores discutirem propostas para os blocos selecionados a qualquer momento, sem a necessidade de um convite formal à apresentação de propostas. A estratégia visa oferecer mais flexibilidade aos investidores interessados e vem na sequência de uma bem-sucedida ronda de licitações em 2020, que viu nove blocos onshore serem adjudicados a investidores, depois de 46 propostas diferentes terem sido apresentadas por uma série de players de média dimensão no ramo da prospeção e produção.

A linha atual de iniciativas de promoção da prospeção seguida pela ANPG sucede a quase uma década sem quaisquer iniciativas de licenciamento, o que foi em grande parte responsável pela atual falta de novos esforços de prospeção e descobertas de novas reservas no país.

«Deixámo-nos adormecer à sombra dos nossos sucessos anteriores e durante oito anos não tivemos nenhuma ronda de licenciamento que promovesse novas explorações e descobertas, mas esse tempo acabou», acrescentou Chitangueleca.

A ANPG planeia encurtar a duração dos ciclos de rondas de licitações de 12 para 9 meses, em mais um esforço para acelerar a prospeção e descobertas, um processo que deve entrar em vigor quando o Ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás de Angola, S.E. Diamantino Azevedo lançar a nova ronda de licitações da agência para blocos offshore profundos até ao final de 2021.

Share This Article

Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on reddit
Share on whatsapp
Share on email

Other Reads

Energy Capital & Power

Energy Capital & Power

Energy Capital & Power is the African continent’s leading investment platform for the energy sector. Through a series of events, online content and investment reports, we unite the entire energy value chain – from oil and gas exploration to renewable power – and facilitate global and intra-African investment and collaboration.

Subscribe below to stay in touch about the latest news and event updates

X
X